As Províncias Kitsuki


Depois que a família Kitsuki foi criada no século IX, ela recebeu o controle de três províncias do sul no território do clã, que anteriormente era governado pelos Mirumoto.


As províncias Kitsuki são o que a maioria dos Rokugani pensa quando pensa nas terras do Dragão, e isso é considerado com diversão pelos próprios Kitsuki, que sabem muito bem que suas terras são as mais hospitaleiras do clã. Claro, as estradas das províncias Kitsuki são tão notoriamente difíceis e misteriosas de navegar quanto qualquer outra, e os visitantes geralmente requerem um guia da família.


Província Shinpi

(Província do Mistério)


Este antigo território Mirumoto é o lar de muitas das propriedades Kitsuki mais importantes, portanto, da maioria dos samurais da família. Fisicamente, a província é limitada por terras do Unicórnio a oeste, a província de Gaien de Mirumoto ao norte, a província de Kitsuki Kaitou a leste e pelas terras da Libélula ao sul, que separam o território das terras do Clã do Leão.


Sua localização garante que os Kitsuki recebam a maioria dos convidados do Clã do Dragão e, embora alguns visitantes visitem outras fortalezas do clã, muitos deles ficam com os próprios Kitsuki.

Além disso, a principal fortaleza do Clã Libélula de Kyuden Tonbo está, na verdade, localizada dentro das fronteiras oficiais da província, embora a maioria das terras desse Clã Menor estejam mais ao sul; isso se deve ao papel Do clã Libélula como “guardiões do portão” das montanhas do clã do Dragão. A presença da Libélula e dos Kitsuki significa que os habitantes da província de Shinpi tendem a ser cultos, corteses e bem instruídos, sejam heimin ou samurais.


Shiro Kitsuki


Também chamado de Castelo do último passo (devido a ser a entrada principal nos territórios centrais montanhosos do Clã do Dragão e o destino final de muitos viajantes), Shiro Kitsuki é o centro diplomático do moderno Clã do Dragão.


Originalmente pouco mais do que uma coleção de torres e quartéis sob a direção da família Mirumoto, o local foi escolhido por Agasha Kitsuki no século IX como a residência de sua família recém-fundada. Ao longo dos anos, as torres foram reforçadas e expandidas muitas vezes, e embora Shiro Kitsuki permaneça um pequeno castelo para os padrões de outros clãs, ele representa um desafio considerável para qualquer exército que se aproxima.


Com as montanhas nas costas e uma linha de visão clara ao sul, Shiro Kitsuki tranca a porta para o resto do território do dragão. No entanto, sua maior importância é como o principal local de diplomacia para o Clã do Dragão, então, embora haja uma presença militar permanente, ela é mantida fora da vista dos convidados.


Grandes aposentos são reservados para embaixadores de outros clãs, e os quartos aqui são alguns dos mais luxuosos nas terras do Dragão - o que significa que eles ainda parecem esparsos para qualquer um, exceto um Leão ou Caranguejo.


Várias salas são reservadas especificamente para o clã Libélula para facilitar o trabalho diplomático compartilhado entre os dois clãs. Shiro Kitsuki também abriga extensas bibliotecas e um dojo bem equipado, promovendo atividades marciais e acadêmicas junto com as políticas; na verdade, do ponto de vista dos próprios Kitsuki, seus estudos da tradição esotérica são frequentemente mais importantes do que negociações.


O castelo é o ponto de partida para quem deseja fazer uma peregrinação a Kyuden Togashi. Uma vez que tais peregrinos conseguem chegar tão longe, os Kitsuki nunca lhes nega a oportunidade de continuar em direção ao seu destino.


Claro, esta é uma jornada longa e difícil, mesmo para um bushi altamente treinado, e muitos desses peregrinos precisam ser resgatados após alguns dias de viagem.


Kyuden Tonbo


Embora a casa da Libélula esteja situada dentro dos limites da província de Shinpi, é um palácio independente. Traremos mais informações sobre em um novo post.


Kaagi No Tamashii


Durante muitos séculos, este foi um pequeno santuário abandonado perto da fronteira do Unicórnio. Kaagi no Tamashii recebeu seu nome no século XII após a Guerra Contra as Trevas, quando o Dragão procurou homenagear um de seus heróis caídos. Kitsuki Kaagi foi um dos primeiros samurais a aprender toda a verdade sobre a entidade sinistra conhecida como a Escuridão Viva, e seus diários permitiram que o Dragão estivesse na vanguarda do conflito contra aquele inimigo. Como Kaagi lutou ao lado de um samurai Unicórnio contra as Trevas, este local foi escolhido como santuário a fim de promover um bom relacionamento entre os dois clãs, que anteriormente tinham muito pouco a ver um com o outro.


Em poucos anos, uma pequena vila cresceu ao redor do santuário propriamente dito, e tornou-se um posto avançado de comércio entre o Dragão e o Unicórnio, correspondendo a Kibukito no lado Unicórnio da fronteira. Normalmente, a maioria dos visitantes do santuário são da família Iuchi, uma exceção ao monopólio usual que a família Ide tem sobre os assuntos externos de seu clã.


O santuário é bastante simples e de design tradicional, honrando o espírito de Kaagi. A única característica incomum é a inclusão do cristal em sua estrutura, já que o Kitsuki queria preservá-lo contra qualquer ameaça futura das Trevas. Aparições de “ninjas” nas terras vizinhas são comuns o suficiente para que os Kitsuki também mantenham uma pequena mas vigilante guarnição no santuário.


Keen Eyes Strike Village



Embora na superfície esta cidade não seja diferente de qualquer outra vila que se possa encontrar em Rokugan, a Vila Olhos da rainha na verdade tem uma função única para os Kitsuki. Enquanto a maioria de seus habitantes são simples fazendeiros e comerciantes, alguns estão empregados em uma atividade muito estranha: recriar cenas de crimes para os alunos Kitsuki investigarem. Essa tradição surgiu do desejo de treinar o jovem Kitsuki “no campo”, mas sem depender de ocorrências reais de crimes.


Para seu gemppuku, os alunos Kitsuki são trazidos para a aldeia para resolver elaborados enigmas de crime, incluindo testemunhas e pistas materiais, todos recriados em uma rua específica da aldeia que é reservada para esse propósito.


A necessidade de testemunhas falsas levou ao estabelecimento de uma tradição de atuação modesta dentro da aldeia e, embora sejam principalmente plebeus, alguns samurais Kitsuki também se dedicam à arte a cada geração. Da mesma forma, a necessidade de componentes exóticos do crime ajudou a desenvolver a atividade mercantil na aldeia, e comerciantes de lugares tão distantes quanto as terras do Caranguejo e do Louva-a-deus às vezes podem ser encontrados aqui.


Keen Eyes Strike Village também é onde os Kitsuki preparam alguns dos compostos alquímicos usados em suas investigações, em colaboração com os Agasha (mais tarde Tamori).

Os próprios aldeões geralmente são gratos pela segurança e prosperidade extra que ganham com seu serviço incomum aos Kitsuki; se eles acham seus mestres estranhos, eles guardam essas opiniões para si mesmos.


Morning frost Castle

(Castelo da Aurora gélida)



Originalmente construído como uma residência de inverno para o daimyo Mirumoto, o Castelo Morning Frost passou a ser propriedade da família Kitsuki quando foi incluído nas terras concedidas à nova família. Situado em um dos picos mais altos das províncias Kitsuki, leva o nome do clima local especialmente frio, com habitantes relatando geadas matinais ocasionais, mesmo durante a temporada de verão. O castelo sempre esteve associado ao treino, sendo a sua localização agreste escolhida para proporcionar adversidades para os alunos ultrapassarem a fim de se fortalecerem.


Seus quartos permanecem frios na maior parte do ano, e a estrada para lá é igualmente íngreme e gelada, exceto nas semanas mais quentes do ano. Os Mirumoto treinaram principalmente guerreiros lá, mas desde que assumiram o controle, os Kitsuki usaram o Castelo Morning Frost para um propósito muito diferente. Aplicando a mesma lógica que usam em muitos outros aspectos de suas vidas, os Kitsuki decidiram criar uma escola onde futuros sensei recebessem aulas de como ensinar seus alunos. Embora este seja um processo único no Império, ele serviu bem ao Dragão e, com o tempo, as outras famílias começaram a enviar seus próprios sensei para passarem pelo menos algum tempo no Castelo Morning Frost.


Uma vez que os ensinamentos do Clã do Dragão são frequentemente esotéricos e misturam uma grande variedade de disciplinas, preparar o sensei para ensinar a geração mais jovem tem sido de grande ajuda para o clã como um todo. O lendário Sensei Mirumoto também costuma morar no Castelo Morning Frost, emprestando a toda instituição uma aura de admiração.


Província Kaitou



Menos próspera do que seus vizinhos, com uma parte significativa de suas terras ocupada por colinas rochosas inóspitas, a província Kaitou é escassamente povoada, mesmo para os padrões do dragão. Localizada a leste da província de Shinpi, faz fronteira com a província de Kitsuki Sinjutsu ao norte e a leste, e com as terras do Leão ao sul. Algumas pequenas aldeias são encontradas nas colinas e algumas fortalezas de samurai bloqueiam o acesso ao interior das terras do clã, mas o lugar não tem vida. No geral, os habitantes da província Kaitou são taciturnos e desconfiados de estranhos.


Embora isso tenha conquistado poucos amigos fora de seu clã, alguns dos melhores investigadores Kitsuki vieram da província, e seus samurais geralmente mostram uma inclinação marcial mais forte do que o resto da família.


Great Fall Castle

(Castelo da Grande Queda)



Uma fortaleza visualmente impressionante, construída no topo de uma cachoeira que jorra das montanhas, o castelo da grande queda é efetivamente governado em conjunto pelos Mirumoto e Kitsuki. Embora o senhor do castelo seja geralmente um Kitsuki, muitos soldados Mirumoto estão presentes lá, e seu comandante trabalha em conjunto com o senhor do castelo. Muitos Kitsuki refinam seus conhecimentos sobre kenjutsu treinando com os Mirumoto, e os melhores entre eles passam a fazer parte das fileiras dos justicares, magistrados que fazem justiça por suas próprias mãos. Uma vez que os justicares buscam incutir um forte senso de honra e disciplina em suas fileiras, o castelo é duro até mesmo para os padrões do dragão, com quase nada em termos de decoração ou conforto.


No entanto, a beleza do local fala por si, e alguns o visitam com o objetivo de mostrar o seu apreço através de várias obras de arte (embora estas raramente sejam mantidas no local). A localização remota do castelo também fez com que ele fosse usado como um arsenal para o Clã do Dragão, com armas e suprimentos armazenados dentro de suas paredes. Visto que o Dragão é o Grande Clã mais pobre do Império, isso é considerado um dever vital, se não glorioso.


As histórias locais afirmam que o castelo foi originalmente construído para controlar o fluxo da cachoeira e foi capaz de liberar torrentes de água sobre qualquer invasor. No entanto, isso nunca foi confirmado, e os senhores do castelo da grande queda guardam seus segredos.


Provincia Sinjutsu



Idealmente posicionado perto dos territórios do Leão e da Fênix, e com fácil acesso às terras da Garça e do império, Sinjutsu sempre foi um centro de comércio para o Dragão. Faz fronteira com a província de Kaitou a oeste, com as províncias de Mirumoto ao norte, a região conhecida como Grande Queda ao leste, e as terras do Leão ao sul. Sob a liderança dos Kitsuki, a província floresceu ainda mais do que sob o governo Mirumoto, pois eles erradicaram a corrupção e até mesmo os pequenos crimes em suas terras. Ainda assim, o comércio é uma atividade incomum para o samurai dragão, e o resto do clã tende a ver os residentes de Sinjutsu como excessivamente mundanos.


Claro, isso confunde os outros Grandes Clãs, já que eles consideram os samurai Kitsuki de Sinjutsu tão excêntricos quanto os de qualquer outro lugar das terras do Dragão.


Toi Koku



Uma pequena aldeia pelo tamanho físico, Toi Koku é, no entanto, importante para o Dragão como um de seus principais centros comerciais. Embora o Dragão como um todo tenha ainda menos interesse em questões de comércio do que outros clãs, permanece um fato que suas terras raramente ou nunca produzem comida suficiente para toda a sua população, então eles são forçados a negociar por mais arroz. Vários pequenos postos avançados nesta vila abrigam mercadores de vários outros Grandes Clãs, todos os que tentam obter o ouro do Clã do Dragão com o melhor preço. Como regra geral, os Kitsuki supervisionam apenas os níveis mais altos das negociações, deixando todos os detalhes para os comerciantes heimin.


Eles se interessam pelo cumprimento da lei, e os produtos que passam por Toi Koku são meticulosamente inspecionados para garantir que foram devidamente tributados e não contêm nada de ilegal. Em particular, o Dragão presta muita atenção aos bens gaijin e itens de natureza mágica, os quais são frequentemente fontes de contrabando e corrupção associada. A atividade ilegal também pode assumir formas mais simples, é claro, pois as caravanas carregadas de ouro representam um alvo fácil para os bandidos.


Muitos mercadores recrutam ronins para se protegerem e, junto com a proximidade de Nanashi Mura, isso tem levado a um fluxo constante de homens onda dentro e fora da vila. Os Kitsuki são tolerantes com os mercenários apenas enquanto eles se comportam de acordo com a lei, e os ronins aprendem rapidamente a ficarem obedientes a lei.


Referências:


The Atlas Of Rokugan.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo